CARTA DO EX-PRESIDENTE

Como fundador e primeiro presidente da ECOECO, a partir de 1994 no bojo do enorme sucesso do Congresso da Sociedade Internacional de Economia Ecológica (ISEE) em San José, Costa Rica naquele mesmo ano, foi um enorme prazer poder acompanhar como conselheiro o nosso trajeto ao longo das duas décadas seguintes. A partir do esforço da gestão compartilhada do Maurício Amazonas e Cadu Young ("sangue novo - sangue bom"), não hesitaram em se candidatar para este papel de liderança importantes membros da comunidade de Economia Ecológica nacional. Contamos, além destes ilustres sócios, como ex-presidentes, os nossos queridos Ademar Romeiro, Luciana Togeiro, Amélia Enriquez e Paulo Mibielli. E ainda contamos com o Presidente de Honra, Clóvis Cavalcanti, que foi recentemente honrado como Presidente-Eleito da ISEE.

Nestes anos todos, conseguimos manter a disciplina da realização do nosso Encontro Bienal, tendo também assegurado através da sua descentralização rotativa realizá-lo em cidades em todas as regiões do País, começando com Campinas, passando por São Paulo, Recife, Belém, Brasília (2 vezes), Cuiabá, Fortaleza, Caxias do Sul, Vitória, Araraquara e, em breve, Überlândia. Também estreitamos os laços com sociedades científicas irmãs, a exemplo da ANPEC, SOBER, ANPPAS​, ​SEP e SBPC nos quais realizamos mesas e mini-cursos para amplificar o conhecimento das contribuições da Economia Ecológica no país. Igualmente, conseguimos manter, com alguns pequenos hiatos, a publicação regular do nosso Boletim da ECOECO, que às vezes parece mais como uma revista acadêmica do que um simples newsletter com o feitio com o qual começamos a distribuí-lo nos anos 90. Ampliamos ainda a nossa contribuição à REVIBEC, revista multilingüe on-line que foi agraciado com a nota QUALIS B2 no Brasil. Esperamos que esta produção seja fortalecida no futuro com um envolvimento ainda maior da ECOECO na sua editoração.

Outro ponto alto neste período que devemos lembrar foi a publicação de uma 2a edição da nossa coletânea Economia do Meio Ambiente: Teoria e Prática pela Elsevier, em 2010. O livro traz artigos de um conjunto de pesquisadores identificados com economia ecológica no país, e se tornou referência no país. Além disso, sob a coordenação editorial do Ademar Romeiro, foi possível lançar uma série ECOECO pela editora Annablume, começando com o livro de Daniel Caixeta de Andrade Valoração economica ecológica: bases conceituais e metodológicas.

Re-assumi a presidência da ECOECO em 2012, após deixar o ciclo de seis anos que implica ser Presidente e membro do Conselho Executivo da ISEE. Durante este período, realizamos o Congresso da ISEE no Rio, na semana anterior à Conferência Rio+20, em que foi possível trazer mais de 800 inscritos de 50 países para participar de um evento de 3 dias em pleno Centro do Rio de Janeiro. No mesmo período, fortalecemos a Secretaria da ECOECO com sede atual no CPDA/UFRRJ no Rio, com a colaboração da Izaira Zineski e Simone Madalosso no cargo de secretária. Tentamos adotar uma postura de maior envolvimento e posicionamento da ECOECO frente aos problemas e questões de política pública nacional em que a sociedade conta com especialistas técnicos e posições claras. Sempre fomos amplamente respaldados pelo nosso conselho executivo e as diretorias regionais do Norte ao Sul. Obrigado!

No final do ano 2016, considerando que estou desde agosto no exterior realizando estágio pós-doutoral no Earth Institute da Columbia University e colaborando com o projeto TEEB AgriFood e outras atividades globais, tornou-se necessário assegurar a continuidade de uma presidência da ECOECO presencial no Brasil, especialmente na face dos dramáticos cortes orçamentários e crise política, econômica e social ao que o país enfrenta. Neste sentido, renunciei a presidência da ECOECO efetivo no 1º de janeiro deste ano, passando o bastão para a minha Vice, Luciana Togeiro, com o apoio essencial do Tesoureiro Daniel Caixeta que também preside a realização do XII Congresso da ECOECO que será realizado em setembro de 2017 em Uberlândia.

Desejando um 2017 produtiva e com melhores resultados para o país e o planeta do que o ano passado.

Peter May